Disfunção sexual: Saiba como superar!

Se tem um assunto que é absurdamente importante na vida de um homem, mas que, infelizmente, ainda é tratado com muito tabu, é disfunção sexual. E com coisa importante assim não se pode ter vergonha de falar. Muitos homens deixam de ter uma vida sexualmente satisfatória por bobeira. A maioria dos casos se resolve de forma simples.

Mas, antes de falarmos sobre os métodos para se tratar a disfunção sexual, precisamos saber causas e como evitar. Segundo o Departamento de Sexualidade Humana da Sociedade Brasileira de Urologia (SBU), atinge cerca de metade dos homens entre 40 e 80 anos.

CAUSAS

De acordo com a psicóloga Valéria Mol, que é formada pela Univale e pós-graduada em terapia cognitivo-comportamental; a disfunção sexual tem causa principalmente psicológica. Mas pode também ser proveniente de um organismo mal condicionado. Segundo ela, no caso de quadros de disfunção sexual desencadeados por ansiedade – o que é comum em jovens; mas não somente – o tratamento se dá por meio de acompanhamento psicológico profissional. Pode envolver terapias de casal, informações sobre masturbação, exercícios de autocontrole sobre a ejaculação, etc.

A profissional ainda explica que o sistema cardiovascular, responsável pelo bom funcionamento do aparelho sexual; vai funcionar bem se o organismo se manter saudável. Por isso orienta que sejam procurados profissionais das áreas específicas; para se elaborar dietas balanceadas e planos regulares de exercícios físicos. Se atentar ao peso ideal e fazer check-ups periodicamente também é muito importante.

Doenças crônicas como diabetes, hipertensão, sedentarismo e obesidade estão entre as principais causas do problema. Outro grande fator é o vício em cigarro. Todos esses gatilhos costumam destravar da meia-idade pra frente, especialmente após os quarenta.

Caso esteja passando por esta situação, clique aqui e acesse o site de um de nossos parceiros. Certamente encontrará soluções!

Disfunção Sexual
TRATAMENTOS

Contudo, todos os tratamentos são feitos com cuidado e a médio ou longo prazo, então há ainda a alternativa mais rápida: o estimulante sexual. O estimulante – ou azulzinho, como é popularmente chamado – serve para dar aquela mãozinha enquanto o corpo ainda não está funcionando perfeitamente ou mesmo quando a ansiedade e o medo de desapontar na hora “H” toma conta. Nesse caso, o ideal é usar produtos de qualidade e com sabedoria, mas sempre sem perder o foco de manter o corpo saudável.

Existem ainda outros tratamentos alternativos, porém com uma eficácia inferior aos exercícios físicos, à alimentação controlada e aos estimulantes. Além disso, o acesso a esses outros meios pode não ser tão fácil quanto os anteriores. São eles a injeção intra-cavernosa, as próteses e a revascularização.

A injeção intra-cavernosa trata-se de uma injeção de uma substância que promove a dilatação do órgão genital; e a circulação de sangue no local, o que surte um efeito até bastante rápido. Aparentemente, se apresenta como um bom método, mas levando em conta que a injeção precisa ser aplicada diretamente no pênis, costuma ser recusado pelos pacientes. Outro fator contra é que a substância pode causar alergias no usuário.

CIRURGIAS

As próteses podem ser maleáveis ou infláveis. As próteses maleáveis, que custam cerca de três mil reais, tratam-se de uma haste metálica envolta em silicone, que serve de apoio ao pênis. A vantagem da prótese maleável é proporcionar um prazer mais próximo ao natural para o paciente. No entanto, por se tratar de uma cirurgia de implante fixo, ela faz com que o pênis fique sempre ereto; o que pode causar desconfortos – tanto para se vestir, como para eventualmente ter o “volume” exposto. As próteses podem ainda ser infláveis, funcionando por meio de uma espécie de bomba, circula um líquido no corpo do pênis e o faz ficar ereto. Em seguida, basta bombear o líquido de volta para a bombinha, que o pênis volta ao tamanho normal. É o método mais eficaz, mas seu preço salgado pode chegar a 40 mil reais.

Por fim, há ainda a revascularização, que se trata de uma cirurgia semelhante à ponte de safena, feita para vascularizar o coração, só que feita no pênis com problema de irrigação de sangue. Porém, ela tem um contraposto forte, uma vez que aumenta muito a vascularização do sangue no local. Como o pênis é um órgão pouco usado, pode causar uma futura obstrução nas veias, já que o órgão vai ter menos sangue que o habitual quando estiver flácido.